Sobre cultivar o hábito da leitura e gostar (de verdade) de ler

Ler um livro de ficção ou quadrinhos, ver uma comédia do Adam Sandler, jogar videogame, dedicar horas à confecção de origamis, cortar as unhas dos pés, dormir ou ver um documentário sobre as borboletas-monarca sem peso na consciência não costumam ser opções muito confortáveis para os workaholics. Você é um? Workaholics são viciados na sensação de estar produzindo constantemente e, ao mínimo deslize, como acordar uma hora mais tarde, sentem culpa. Conhecemos bem os resultados dessa pressão: ansiedade, tristeza, sensação de fracasso.

A verdade é que momentos de ócio estão longe de ser perda de tempo. Ao contrário, são fundamentais para a produtividade e a criatividade e são essenciais principalmente agora, quando muitos de nós estamos socialmente isolados, trabalhando remotamente. Nessas circunstâncias, as horas de trabalho podem facilmente estender-se para além do “horário comercial”. Então, presenteie-se com momentos de descanso, de preguiça mesmo. Sim. Pre-gui-ça. Sem culpa, sem arrependimento. Reserve um tempo ao longo do dia para ouvir uma música, dar um cochilo, ver um filme ou uma série, ler algo não necessariamente relacionado aos estudos ou ao trabalho. Acredite: precisamos disso.

Eu, que sou “de humanas”, considero os livros grandes aliados nos estudos e companheiros nos momentos de preguicinha. Cultivar o hábito de ler livros nos ajuda a não cair na armadilha da leitura breve de manchetes e do espalhamento de notícias falsas, o que, hoje sabemos, pode ter consequências desastrosas. A preguiça de ler algo mais longo, essa sim, deve ser espantada.

Na era da internet, quando manchetes e mais manchetes pipocam nas nossas telas a cada segundo, pode ser difícil desacelerar a mente e entregar-se a uma leitura de ficção.  Os benefícios disso são muitos e comprovados pela ciência. Ler, além de contribuir para aumentar o conhecimento, também relaxa e, de quebra, ajuda a manter a saúde mental e previne doenças como o Alzheimer. Você se torna uma pessoa mais interessante e empática, desenvolve um vocabulário rico e passa a ser mais articulado, expressando-se de maneira clara, o que é muito útil em todos os âmbitos da vida. A leitura despretensiosa definitivamente vale a pena!

Aqui vão, portanto, três dicas simples para ajudar você a introduzir na sua rotina o hábito da leitura. Sem sofrimento, sem martírio. 

Escolha algo de que você goste

Escolher aleatoriamente um livro que possa interessar a você pode não ser uma tarefa fácil, dada a grande variedade de temas e estilos de texto. É importante que você escolha algo que seja do seu interesse. Ler por mera obrigação é cansativo e estressante, e, para relaxar, tudo o que queremos é algo que desperte nosso interesse, para que a gente possa realmente desfrutar da leitura. Você pode, por exemplo, adquirir aquele livro que foi adaptado para o cinema e cujo filme você gostou. Ler as resenhas também pode ser útil. E não tenha receio de interromper uma leitura que não está agradando e iniciar outra. Ninguém precisa de mais autocobrança. Se você não tem (ainda) uma biblioteca física, pode iniciar no mundo dos livros por meio de e-books, que são muito práticos. No site da Amazon há títulos disponíveis gratuitamente. Para lê-los, basta ter instalado em seu smartphone, PC, notebook ou tablet algum aplicativo como o Kindle, também da Amazon, ou o Kobo, entre outros. 

Reserve um tempo diário para a leitura

Não há um tempo mínimo ou máximo, nem um período ideal do dia. Prefere a manhã? O meio ou no fim da tarde? Momentos antes de dormir? A hora certa é aquela que você escolher. Sejam dez minutos, uma hora ou quatro horas, uma coisa é certa: esses momentos não devem ser um suplício. O objetivo não deve ser apenas cobrir páginas. A hora da leitura tem que ser agradável de verdade para você.

Escolha um lugar confortável

A mesa da cozinha, a escrivaninha, o sofá etc. Qualquer lugar pode tornar-se um espaço de leitura agradável, desde que seja confortável para você. Escolha um local tranquilo, onde não haja distrações. E evite checar constantemente as redes sociais, mensagens e e-mails durante o tempo destinado à leitura. Para alguns, uma música suave ajuda a manter a concentração. Para outros, o silêncio é indispensável.

Com o tempo, à medida que você nota os benefícios obtidos, ler se tornará uma atividade natural e verdadeiramente prazerosa para você.

Carla Lopes
Tradutora e Revisora
carlaalessandralopes79@gmail.com
carlalopes@revistahiper.com.br


3 comentários em “Sobre cultivar o hábito da leitura e gostar (de verdade) de ler”

  1. Precisamos sim, como precisamos, nesses momentos dificeis q passamos agora uma boa leitura alivia a mente diante de tantas tristezas, parabéns pela motivacao.

    Responder
  2. Ótimo artigo, as pessoas precisam começar a cultivar o hábito de ler desde criança, acho que é um dever dos Pais cultivar esse hábito nos filhos, dando exemplo. Parabéns pelo excelente texto!

    Responder

Deixe um comentário